Óleo de coco pode beneficiar quem tem dermatite
8 de fevereiro de 2024
TODOS nós envelhecemos, mas não da mesma maneira
9 de fevereiro de 2024

Você sabia que os psicobióticos são verdadeiros aliados na conexão entre o intestino e o cérebro? Esses microrganismos, compostos por probióticos e prebióticos, oferecem benefícios incríveis para a cognição, saúde mental e muito mais!

Psicobióticos são bactérias que, ao serem ingeridas, promovem benefícios cognitivos e de saúde mental, agindo na interação com a microbiota intestinal. Em outras palavras, são verdadeiros superalimentos para o cérebro!

Os psicobióticos atuam no eixo intestino-cérebro, uma via crucial de comunicação entre o cérebro, intestino e microbiota. Ao modular a composição e o metabolismo da microbiota, eles impactam a sinalização do intestino para o cérebro, influenciando positivamente a cognição, resposta ao estresse, humor e regulação emocional.

A microbiota intestinal não é apenas um grupo de bactérias; é uma extensão do corpo humano! O eixo intestino-cérebro conecta a cognição e a saúde mental às funções intestinais e ao metabolismo microbiano. Os psicobióticos entram nesse diálogo, apoiando nossa saúde mental e cerebral.

O sistema nervoso entérico (o “segundo cérebro”) no intestino, juntamente com o nervo vago, forma uma via vital de troca de informações. As bactérias intestinais produzem moléculas neuroativas que ativam o nervo vago, influenciando nossa função cerebral e comportamento.

Assim, a microbiota intestinal produz moléculas que afetam a sinalização nervosa e endocrina, influenciando neurotransmissores e fatores neurotróficos. Isso modula a função cerebral, incluindo regulação do humor, respostas ao estresse e cognição.

Por isso, restabelecer o equilíbrio da microbiota é essencial para a saúde mental. Nesse sentido, os psicobióticos podem ser um grande aliado, mas lembre-se: para cuidar do intestino e da saúde mental, é preciso agir de forma holística (alimentação saudável e livre de ultraprocessados, exercício físico, sono restaurador, gerenciamento do estresse etc).

Ref.: doi.org/10.1016/j.foodres.2021.110892

WhatsApp chat