A sacorpenia pode ser combatida!
11 de fevereiro de 2024
Mulheres mais velhas com pernas fortes têm menor risco de demência e menos alterações cerebrais atribuídas ao envelhecimento
12 de fevereiro de 2024

Novo estudo associa antidepressivos ao início do uso de insulina em pessoas com depressão e diabetes

Pesquisas anteriores já mostravam que alguns antidepressivos podem estar associados ao ganho de peso, aumentando os riscos de desenvolver diabetes.

Agora, um novo estudo publicado em dezembro de 2023, foi o primeiro a associar o uso prolongado de antidepressivos ao início do tratamento do diabetes com insulina.

“Nosso estudo identifica uma subpopulação de pessoas com depressão e diabetes tipo 2 que apresentam risco muito alto de piores resultados diabéticos. Embora esses indivíduos estejam sendo tratados com medicamentos antidepressivos, isso não parece ser suficiente para melhorar os sintomas da depressão e anular os efeitos negativos da depressão na saúde física. Esses indivíduos poderiam ser direcionados mais cedo para intervenções holísticas para melhorar seu bem-estar mental e controle glicêmico e reduzir a necessidade de insulina”, dizem os autores da pesquisa.

A depressão exige uma abordagem multidisciplinar para promover uma recuperação completa. É fundamental cuidar da alimentação, do intestino e do sono, por exemplo.

Além disso, o exercício físico emerge como uma poderosa ferramenta no combate à depressão, muitas vezes tão eficaz quanto os antidepressivos. Além de liberar endorfinas, as substâncias do bem-estar, o exercício contribui para a regulação do peso, combatendo um potencial efeito colateral dos antidepressivos.

Ao enfrentar a depressão, é crucial estarmos cientes das possíveis ramificações dos tratamentos. Ganho de peso e riscos metabólicos podem estar atrelados ao uso de antidepressivos, por isso seu uso deve ser feito de maneira responsável, mas sempre lembrando de seguir buscando tratar a depressão de uma maneira holística. Afinal, somos corpo, mente e espírito!

Conhece alguém que precisa ler esse conteúdo? Curta, salve e compartilhe esse post!

Refs:
doi.org/10.1016/j.diabres.2023.111083
DOI: 10.2337/dc13-0560

WhatsApp chat