Cortar apenas 250 calorias por dia ajuda já a proteger o coração
13 de outubro de 2021
Como surgiu a ideia de comer de 3 em 3 horas
20 de outubro de 2021

Estudo associa ultraprocessados ao risco de doenças inflamatórias intestinal

Quem aí ainda não sabia que comer ultraprocessados inflama seu intestino, altera seu humor, sua disposição e ainda pode te dar uma doença intestinal, como a doença de Crohn e a retocolite ulcerativa?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Mais um extenso estudo comprova essa relação, desta vez realizado em 21 países, entre eles o Brasil, e publicado na revista britânica British Medical Journal.
Mais de 110 mil pessoas entre 2003 e 2016 foram avaliadas por pelo menos a cada 3 anos, utilizando-se de um questionário para se obter informações detalhadas sobre a alimentação destes adultos que tinham entre 35 e 70 anos.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Dentro deste questionário de frequência alimentar os participantes indicavam com que periodicidade comiam alimentos ultraprocessados e com aditivos como embutidos, cereais matinais, molhos, refrigerantes, doces, sucos industrializados, etc.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Ao longo do processo, 467 novos casos de doenças inflamatórias foram identificados e após levar-se em conta outros fatores também influentes, os pesquisadores concluíram que aqueles que consumiam cinco ou mais porções de ultraprocessados por dia apresentaram 82% a mais de chance de desenvolver essas doenças! E conforme menor a ingestão desses alimentos, menor era a porcentagem de chance de apresentar a doença.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Alguns subgrupos de ultraprocessados foram ainda associados a taxas mais altas de risco, como refrigerantes, embutidos e alimentos refinados. Enquanto o consumo de carne branca, carne vermelha, laticínios, amidos, frutas, legumes, verduras e leguminosas não apresentou associação visível com o aparecimento de doenças inflamatórias.
Constelação, não tem segredo. Comer comida de verdade é a forma de se obter mais qualidade de vida. Ressignificar a sua alimentação é possível, é preciso e é pra já!

Referência:

https://doi.org/10.1136/bmj.n1554

WhatsApp chat